CONGRESSO

quarta-feira, 18 de julho de 2012

Notícias do Desenvolvimento do Maranhão VII: A fome e a miséria avançam no Maranhão!


No relatório “Conflitos no Campo do Brasil”, relativo ao ano passado, a Comissão Pastoral da Terra já denunciava a existência de 5.228 famílias maranhenses em acentuado conflito pela posse da terra com os grupos empresariais Suzano Papel Celulose, Vale e MPX, que com os seus grandes projetos já se apoderaram de quase 332 935,507 km2 do território do nosso Estado, contando com a benevolência e até mesmo interesse de instituições públicas e da própria política de governo. Hoje a situação é pior e o número de famílias já pode ter duplicado.

Para que se tenha uma dimensão da nossa realidade, o poder público estadual abandonou a agricultura familiar e condenou a própria sorte a produção de alimentos no território maranhense. Se antes, os hortifrutigranjeiros atendiam 90% do mercado de São Luis e de várias regiões do Estado, com certeza estão próximos dos 100%.

O sucateamento da pequena agricultura começou a nível nacional com o então presidente José Sarney, que atendendo interesses do agronegócio, acabou com a Embrater – Empresa Brasileira de Assistência Técnica e Extensão Rural. Em seguida no Maranhão, a governadora Roseana Sarney decapitou a Emater-Ma, uma empresa com mais de 15 escritórios regionais e 125 locais, à época referência no meio rural e que juntamente com a Sucam eram as únicas instituições conhecidas pelas comunidades mais longínquas do Maranhão.

O nosso Estado que chegou a ser o segundo maior produtor de arroz do Brasil e avanços na cultura do feijão , milho, mandioca e hortaliças com a assistência técnica da Emater-Ma, perdeu tudo e nada se produz no Maranhão, a não ser as comoditties para exportação.

Os constantes conflitos agrários são decorrentes das grandes empresas tentarem a todo custo se apossar das terras de pequenos trabalhadores e trabalhadoras rurais e expulsá-los do campo. As pressões não são maiores devido a presença da Igreja Católica, da Fetaema, do Fórum Carajás e várias outras entidades da sociedade civil organizada, que lutam ao lado dos pobres e oprimidos como profissão de fé.

Perdeu-se o número de maranhenses, que expulsos das suas terras foram morrer nos cortes de cana no Goiás, Mato Grosso e na região de Ribeirão Preto, em São Paulo, a maioria por exaustão. A hipocrisia da classe política quer seja da situação ou da oposição é marcada pelo silêncio ou gritos sem ecos, diante de uma realidade bastante visível.

Hoje temos mais de um milhão de pessoas passando fome e na miséria no Maranhão, mas a política do engodo de construção de uma refinaria e duplicação de uma BR estão sendo requentados e tendem a ser plataforma de campanha em São Luis e vários municípios, muito embora o povo já esteja mais consciente.

Infelizmente quem não consegue cacife político para recuperar um aeroporto , pode prometer o que para o povo? Nada.

Se o prestigio for utilizado para interesses particulares, não tenhamos dúvidas que é forte e determinado, mas quando se trata de benefícios para a população, a porca torce o rabo.


Autor: Aldir Dantas
Link: http://blog.oquartopoder.com/aldirdantas/

3 comentários:

Anônimo disse...

SARNEY! -Oligarquia que planeja dioturnamente roubar o povo.
Até agora eles só desorganizaram o povo maranhense, para que nós não lutassemos pelos nossos direitos, mas iremos lutar e organizar o povo maranhense que já quer se libertar!
Ivan Sousa, Belágua-MA

Ianaldo Pimentel disse...

Companheiros de luta, na jornada que realizamos na semana passada assisti de perto, o clamor do nosso povo por justiça, são homens,mulheres, jovens e crianças,tendo seus direito negados pelo estado. Nesse ano eles estão de volta pedido e comprado a qualquer preço o voto, que dessa vez vai, tenham paciencia, como dissi o prefeito de Miranda do Norte JUNIOR LOURENÇO na audiencia pública com a COMPANHIA VALE Comudade cariongo III.MAS O POVO ESTÁ SE ORGANIZADO É PRECISO AVANÇAR, PARA LUTAR, SEM LUTA NÃO VAMOS CONQUISTAR NOS DIREITOS.
SÃO COM NOSSOS BRAÇOS E COM NOSSAS MÃOS, IRIMOS CONSTRUIR O NOVO MARANHÃO.
FÓRUNS E REDES DE CIDADANIA DO MARANHÃO
NÚCLEO DE CANTANHEDE

Anônimo disse...

Essa matéria nos dá mais certeza de que nosso povo sofre enquanto os políticos desfrutam das regalias obtidas com o dinheiro públicos.
Mas não devemos ficar parado esperando a morte chegar, temos que lutar para tirá-los de lá.
Ivan Sousa, Belágua