CONGRESSO

quinta-feira, 23 de junho de 2011

Notícias sobre o desenvolvimento no Maranhão II

Cada revelação feita pelo Censo IBGE 2010 mostra, de forma clara e sem rodeios, dados assustadores sobre os indicadores sociais e econômicos do Maranhão, terra fértil que foi transformada em campo de infortúnio, propício à frutificação da desigualdade, da pobreza e da miséria.

Apesar da renda média das cidades maranhenses ter subido 46%, mesmo assim dos 50 municípios mais pobres do Brasil, trinta e dois (32) estão localizados no Maranhão.

Segundo o IBGE, o Estado brasileiro com a menor renda per capita é o Maranhão, com uma média de R$ 405, menor quatro vezes do que o Distrito Federal, com a maior renda.

Entre os municípios com menor renda per capita está o município maranhense de Belágua, distante quase 14 vezes do município de Niterói (RJ), primeiro colocado.

Resultado na ponta:

- extrema pobreza: grande parte encontra-se na zona rural, são analfabetos, mulheres, quase sempre pretas ou pardas.
- população indígena: a situação piora consideravelmente, sendo relegada à condição de estado de miséria.

Claro está que parte considerável da quase insignificante melhoria deveu-se aos programas de transferências de renda (bolsa família), aposentadorias, pensões, auxílios, seguro desemprego/defeso e um punhado de dinheiro enviado por trabalhadores migrantes maranhenses, em ocupações sazonais, que servem de mão-de-obra barata em outros Estados, mas que ajudam a família a “escapar”.

Sem isso, o que seria do Maranhão? Como estaríamos agora na foto?

Essa notícia deveria corar de vergonha os governos, tanto Federal, Estadual, quanto municipal, caso tivessem vergonha na cara, mas isso jamais irá acontecer, pois as três instâncias são responsáveis por esse resultado.  

Não refletem outra coisa, que não seja a famosa “governabilidade”, outro nome para “pacto entre máfias”, felicidade e alívio para o governo federal, tristeza e sofrimento para os maranhenses, que praticamente viram o seu território ser excluído da federação, a sorte e o destino de mais de seis milhões de almas à mercê da elite dirigente mais cruel, autoritária, corrupta e mais velha no poder do país.

Ainda assim o governo federal faz que não vê e o governo maranhense insiste em alocar somas vultosas em publicidade, como se a melhoria nos indicadores do desenvolvimento econômico e social do Maranhão dependesse de propaganda.

Os dados pesquisados e publicados pelo IBGE como oficiais seriam suficientes para colocar o Brasil no banco dos réus, à disposição das cortes internacionais, por conta da violação sistemática e cotidiana de direitos humanos de milhares de pessoas.

Provas existem aos montes!

Mas para que o processo se instaure, é necessário haver quem acuse, constranja, denuncie essas mazelas, indicando os responsáveis, fazendo conexão entre a governabilidade, a omissão criminosa e o resultado.

No entanto, os acusadores preferem primeiro esgotar o diálogo, com prazo indefinido, ou a elaboração de um TAC (termo de acordo de cumplicidade ou conivência), fazendo o papel de calmante do povo, para que este não tome as ruas e resolva do seu jeito.

Antigamente eram chamados de “pelegos”. Hoje, pessoas de princípios, democratas, aberto ao diálogo civilizado, ao acordo republicano, sensatos, mediadores.

Enquanto não se resolve quebrar os ovos, para fazer omelete, vamos à lista elaborada pelo IBGE, com os 15 municípios com menores rendas per capita do Brasil, leia-se: pobres, dos quais 10 são maranhenses:

1 - Belágua (MA) R$ 146,70
2 - Marajá do Sena (MA) R$ 153,47
3 - Cachoeira do Piriá (PA) R$ 163,65
4 - Fernando Falcão (MA) R$ 166,73
5 - Matões do Norte (MA) R$ 170,76
6 - Melgaço (PA) R$ 172,28
7 - Assunção do Piauí (PI) R$ 174,44
8 - Milagres do Maranhão (MA) R$ 175, 99
9 - Satubinha (MA) R$ 177, 11
10 - Bagre (PA) R$ 178,04
11 - Cachoeira Grande (MA) R$ 180,02
12 - Santo Amaro do Maranhão (MA) R$ 181,08
13 - São Roberto (MA) R$ 181,77
14 - Ipixuna (AM) R$ 181,98
15 - Presidente Juscelino (MA) R$ 182,18

8 comentários:

Anônimo disse...

O maranhão esta mesmo entregue às cobras, ou seria entregue à família Sarney? Afinal com eles o nosso estado não não sairá do fundo do abismo. Enquanto o estado empobrece eles ficam cada vez mais ricos.
Ivan Sousa, belágua

Ianaldo Pimentel disse...

A SITUAÇÃO DO ESTADO DO MARANHÃO, É RESULTADO DA AUSENCIA DO PODER PÚBLICO, DO JUDICIÁRIO. PRECISAMOS MUDAR ESSA SITUAÇÃO, SÓ COM A ORGANIZAÇÃO DO POVO SERÁ POSSIVEL.
REDE DE DEFESA,NÚCLEO DE CANTANHEDE
IANALDO PIMENTEL

Anacleta disse...

Realmente é uma vergonha o nosso Maranhão continua na mesma e o nosso povo votando nesses políticos que são culpados por essas mazelas que assola o nosso estado. Sinceramente tenho vergonha em alguns momentos em ter nascido nesse estado que uma minoria vive das beneces do poder, deixando uma grande maioria viver em estado de miséria.

VALDEJANE COSTA disse...

Engraçado o município de Matões do Norte aparece na quinta colocação dos municípios mais pobres e consegue pagar 1.500,00 para os professores, enquanto outros que não apareceram (Pirapemas) pagam somente 700,00 para seus professorfredores. Quem devia está nessa lista era o município de Pirapemas, que até os comerciantes estão indo embora.

virginia disse...

Precisamos urgentemente tomar as rédias das decisões dentro do nosso estado, porque já não aguento mais fazer parte de um estado, onde sempre está em primeiro lugar, apenas no que é ruim , na pobreza,analfabetismo e mizéria.Juntos iremos organizar o nosso Povo e mostrar que essa realidade pode ser mudada ,contruindo uma nova história para nosso povo maranhense.

virginia disse...

Juntos iremos mudar essa triste história do nosso estado.Denunciando,enfrentando e organizando o nosso Povo. Pois já não aguento mais ver ou falar em tanta mizéria .Precisamos urgentemente tomar as rédias do poder dentro do maranhão.colocando na cadeia os causadores de tanta tristeza. Virgínia, Codó.

Anônimo disse...

Enquanto ouver cumplicidade entre os três poderes, o maranhão vai continuar nessa zona de extrema pobreza. Os maranhenses precizam despertar pra essa realidade cruel que o nosso povo vive e começar a exigir dessa corja de mau feitores o respeito à nossa gente,porque esse estado é nosso!

Márcia Natalina
Rede de Defesa/nucleo V. Grandek

Anônimo disse...

Com estes indices, não é possivel que o gov.Roseana, não fique com vergonha desta posição que ocupa nosso estado, sendo governado tanto tempo pela sua família.Veja a educação, como está.Nunca cumpriu até hoje o que prometeu aos professores.
genesio
S.B.do Rio Preto
g-alvino1@hotmail.com