CONGRESSO

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Notícias do desenvolvimento do Maranhão V: Senzalas urbanas!


As experiências e observações vivenciadas com as viagens de fiscalização retratam uma triste realidade vivida pela maioria do povo maranhense.  Eles sobrevivem apenas com os recursos do Programa Bolsa Família e as aposentadorias dos idosos.

Pode até parecer exagero, mas é a pura realidade. Pouco dos recursos transferidos aos municípios pelo governo federal são efetivamente aplicados neles. A maior parte é drenada pela corrupção das elites políticas municipais e seus protegidos. 

Ao povo, resta a miséria, a fome e as doenças que poderiam ser facilmente curadas caso existisse aplicação de recursos em programas de prevenção, tais como, Farmácia Básica, Programa Saúde da Família e de Agentes Comunitários de Saúde.

É notório os desvios dos recursos da Saúde a ponto de o ex-governador já falecido, Jackson Lago, haver cunhado a expressão "procissão de ambulâncias rumo à São Luís".

O Fundeb, outro exemplo, é aplicado no percentual máximo de 60% na remuneração dos profissionais do magistério em sala de aula. Aqui, em vez de mínimo, virou máximo. Resultado, temos os piores índices do IDEB do Brasil (Índice de Desenvolvimento da Educação Básica).

E a vergonha da corrupção não para por aí. É roubalheira prá todo lado.  Então, caro leitor, o que resta para movimentar as incipientes economias locais? 

Apenas os recursos que são transferidos diretamente às famílias pelo governo federal. O Bolsa Família e os "aposentos".  E os demais recursos  FPM, ICMS, Fundeb, PAB/SUS, convênios, contratos de repasse, etc?

A resposta está nos indicadores sociais do nosso Estado, onde dos 100 municípios mais pobres do Brasil, temos 80 na lista.

A maioria dos municípios maranhenses é uma espécie de "senzala urbana", com  prefeito(a)s que se comportam como se fossem senhores de engenho ou donatários de capitanias hereditárias.

E onde reina o clientelismo, as perseguições e a manipulação. São as novas formas de açoite no lombo do povo.

E o que estes facínoras fazem com o produto dos recursos desviados: 1)colocam os filhos para cursar Medicina em instituições privadas; 2)adquirem apartamentos na área nobre da capital, 3)compram carrões de luxo (SUVs, picapes,etc).

Este é o maldito "kit prefeito".

Até quando permitireis tal coisa, povo Timbira?!!!

Autor: Wellinton Resende, ex-analista do TCE/Ma, educador popular, militante do Movimento de Combate à Corrupção no Maranhão e Auditor da CGU (Controladoria Geral da União).

3 comentários:

alves antonio disse...

Quero agradecer ao companheiro RESENDE pela matéria e pela sua coragem de demonstrar uma realidade tão deprimente do nosso estado e dizer q aqui em SBRP a realidade não eh diferente; recentemente o prefeito convocou todos os beneficiários do Bolsa Família (3.300)para a presentar o seu candidato para 2012, oportunidade em q o coordenador do programa disse q mais 200 famílias estavam sendo beneficiadas pq o prefeito tinha falado com a Roseana e com a Dilma para trazer mais esse benefício para sbrp, uma aberração!
Mas eh assim mesmo; esses delinquentes se aproveitam de tudo e de todos.

Jean disse...

De fato o Maranhão é considerado pelas autoridades municipais e até estaduais como uma senzala antiga com o rosto moderno. Quero parabenizar ao autor do artigo pela denúncia e reflexão feita aqui. Continem firmes!
Jean Carlos

José Atailson, José ribamar Lisboa e José Ribamar Garcia... disse...

Os intrumentos do sistema de escravidão dos governos da Nova República, apesar das leis, são: governo de coalisão,fisiologismo, clientelismo, nepotismo, patrimonialismo, corrupição, imunidade e impunidade. E a sociedade civil? Inexistência ou ineficiencia das Políticas Públicas,miséria,fome, analfabetismo, desemprego, doenças, violência generalizada. Reação: Organização do povo e exercício efetivo da cidadania. Nas ruas, dia 9 de dezembro, marcha, nos municípios, Dia Internacional de Combate a Corrupção e Aos corruptores. Pressão popular pela justiça social. Redes e Foruns da Cidadania do Maranhão- N.PV-MA